quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Férias

Final de ano chegando e com ele vem aquele descanso merecido, não é mesmo? Pois é, hoje antecipamos nossos abraços carinhosos de feliz natal e de ano novo já que estamos subindo a serra rumo as férias.

Como vocês devem saber, esse será o primeiro natal da Valentina e também sua primeira viagem! Como vamos de carro e serão quase três horas e meia de estrada estou ansiosíssima para saber como a pequena irá se comportar. Ano que vem voltamos cheios de novidades e de postagens fofas!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Para os Dias de Calor...

Aqui em Floripa tem feito uns dias de muito calor. Tenho um certo receio de colocar o ventilador para a Valentina então tento amenizar o calorão com banhos gostosos durante o dia.

A primeira opção é simples. Banho na banheira, cedinho, fora de casa. Ela já aproveita para tomar o banho de sol e se refresca ao mesmo tempo. Olha como ela adora!


A segunda opção eu encontrei nos corredores do supermercado BIG, a primeira piscina da Valentina! Ótima opção para os horários onde o bebê não pode ser exposto ao sol. Que tal?


Ela está amando as novidades do verão! Aproveitem o calor e abusem da criatividade com seu bebê, posso garantir que será o máximo.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Meu Primeiro Dia de Praia

Hoje cedo decidimos que iria ser o nosso primeiro dia de praia com a Valentina. Já que todos estão de férias aqui em casa fomos bem cedinho curtir a praia do Forte em Jurerê.

Esta praia é super indicada para crianças já que quase não possui ondas e o bacana é que você pode ficar bem pertinho do estacionamento dos carros facilitando o busca e leva de coisas.

A Valentina curtiu a manhã praiana e chegou até a molhar os pezinhos na água. Como era o único bebê na praia ela virou o centro das atenções de quem chegava, sempre bem simpática sorria para todos que vinham conhecê-la. Foram quase três horas de diversão que passaram voando!









Não tem como não se apaixonar por essa menina!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Exercício

Um dos primeiros exercícios da Valentina. Hoje com três meses e meio ela já consegue sustentar bem a cabeça. Atleta da mamãe!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Test Drive de Chupeta

Ontem comprei uma chupeta nova para a Valentina, super moderna que até brilha no escuro! Esterilizei e fui bem faceira fazer o test drive... O resultado vocês acompanham no vídeo abaixo:

sábado, 17 de dezembro de 2011

Só mais 5 Minutinhos

Aqui em casa mamãe e papai já estão de férias, agora já posso ficar mais 5 minutinhos na cama!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

E as Fraldas?

Ontem recebi um e-mail de uma querida amiga gravidinha perguntando quanto eu gasto com fraldas no período de um mês. Resolvi responder com uma postagem pois acredito que este é um assunto de interesse geral, principalmente para quem está aguardando a chegada de um baby.

Durante minha gestação fiz um "chá de fraldas" com minhas primas e o Alexandre ganhou um "chá de fraldas" dos colegas de trabalho, portanto ainda estamos consumindo o que ganhamos nestes eventos. Só tivemos que comprar um pacote de fraldas RN (recém nascido), mas a Valentina acabou nem terminando pois justo naquele momento passou para a tamanho P. Como meu chá foi coisa simples e organizado de um dia para o outro, não quis estipular marca. Só falei por cima os tamanhos, o que foi bem interessante porque acabei fazendo o test drive de todas as principais marcas que existem no mercado. Concluí que essa coisa da marca melhor é uma experiência bastante pessoal porque ouvia muita gente falando das fraldas da Turma da Mônica, no entanto a que mais gostei foi a Pampers da embalagem verde.

Desde que nasceu até próximo de um mês foi o período que a Valentina utilizou maior quantidade de fraldas por dia. Isso por que no início eu realizava as trocas antes das mamadas pois achava que ela mamaria de maneira mais confortável. Tamém trocava logo após o mama, pois ela se sujava novamente. Já ouviram falar que bebê é igual a passarinho, né? Na prática é isso mesmo.

Era uma média de 10 fraldas por dia no primeiro mês, porque muitas vezes quando você está acabando de trocar eles sujam e você troca de novo. Por isso, se você ganhar fraldas de marcas que não agradem tanto, utilize estas em casa. Deixe as de melhor qualidade para quando for sair ou para o sono da noite.

Mas a boa notícia é que após o primeiro mês o número de fraldas utilizadas por dia cai drasticamente, ficando em torno de 7 unidades diárias. Uma continha para clarear a mente das futuras mamis: 300 fraldas. Esse é o número médio de fraldas utilizadas no primeiro mês de vida de sua preciosidade. E 210 é a quantidade que será usada ao logo do segundo e também do terceiro mês.

Vai um chá de fraldas ai?

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Composições

"A Valentina é minha bonequinha
Também é minha princesinha
Ela é uma gracinha
Tem pé de pão
Pé chulé
Pé Bisnaguinha"

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Diário de uma Mãe Sincera*

Ontem li uma reportagem na revista Super Interessante deste mês (dez,2011)  falando sobre a maternidade. A jovem escritora passou pela experiência da gestação e fez um texto muito bacana falando sobre esta fase. O que me chamou atenção, e consequentemente inspirou esta postagem, foi a abordagem utilizada pela autora do texto. Segunda ela a gravidez não é feita só de lados positivos, não é aquele conto de fadas como praticamente todos dizem.

E é verdade. São tantas transformações em tão pouco tempo que quem diz que passou a gestação inteirinha ótima deveria engravidar novamente para relembrar cada fase! E por falar nisso, vamos relembrar cada etapa da minha gestação:

Primeiro Mês: os hormônios já dão sinais de que estão a mil por hora, mas como eu não imaginava que estava grávida, achava que era estresse de final de ano ou cansaço pós TCC. Os seios estavam muito doloridos e quase o dobro do tamanho, mesmo estando com 25 anos achava que poderia ser do "crescimento"! Que ingenuidade.

Segundo Mês: fase da azia, oscilação de humor e enjoos. Praticamente uma ressaca de trinta dias! Nesse momento resolvi fazer o teste de gravidez, daqueles comprados na farmácia. Deu positivo, é claro. Ainda não convencida fiz o exame de sangue e... Positivo.

Terceiro Mês: período tenso da gestação já que algumas mulheres podem ter aborto espontâneo até o final deste mês. Estava começando a passar os enjoos e minhas calças jeans já não entravam mais.

Quarto Mês: comecei o intensivão dos cremes, hidratantes, óleos e iniciei as sessões de drenagem linfática. A barriguinha já dava sinal de crescimento. Até este mês eu não tinha vontade de comprar nada, nenhuma roupinha, sapatinho... Nadica.

Quinto Mês: aqui tive a certeza que minha bebê era uma menina. O sono já estava bem complicado e dormir de barriga pra baixo só nos sonhos.

Sexto Mês: mesmo com drenagem linfática e em pleno inverno, meus pés e mãos já estavam inchando. Como trabalho sentada o dia inteiro, foi inevitável. Colocar o sapato exigia muita paciência e contorcionismo.

Sétimo Mês: o ataque da azia. Era comer e tomar um copo de ENO.

Oitavo Mês: pé e mão de bisnaguinha, dificuldade de respirar, dor nas costas e azia, fiel companheira. Comecei a acordar umas três vezes no meio da noite para urinar.

Nono Mês: 41 semanas e nenhum sinal de trabalho de parto. Marcada a cesárea, vem a Valentina e vai embora a azia!

*O título desta postagem foi retirado da matéria que cito no primeiro parágrafo do texto.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

O Dilema dos Brincos

Durante a gravidez quando descobri que meu bebê era menina já comecei a pensar se teria coragem de colocar os temidos brincos. Ficava tensa só de imaginar levando a pequena para furar as orelhas. Foram nove  meses de angustia.

Depois que ela nasceu fui pesquisar sobre a colocação de brincos e pasmem, o assunto não é tão simples quanto parece. Isso por que durante as minhas leituras percebi a importância de esperar um pouquinho para a colocação da joia. Muitos pediatras indicam o furo a partir do terceiro mês de vida pois nesta fase as pequeninas já tomaram uma dose da vacina contra o tétano. Também por que estão mais fortinhas caso haja algum tipo de infecção.

Então tive mais três meses para continuar pensando sobre colocar ou não os brincos... Pensava: uma coisa é levá-la para tomar vacina, onde mesmo fazendo um chorinho sei que é algo para o seu bem... Agora, colocar brinco... Será que isso pode ser caracterizado como o início da vaidade feminina? É engraçado, mas passa tanta coisa pela cabeça!

Por outro lado, pensei na possível cobrança que ela poderia me fazer caso optasse por não furar suas orelhas ainda bebê. É sempre uma decisão difícil e no final das contas sobrou para o papai escolher se colocava os brincos ou não. Ficou decidido então que seria colocado.

Decisão tomada, fui atrás de algo que diminuísse a dor e encontrei a pomada anestésica chamada EMLA. Como boa mãe que sou fiz o teste primeiramente em mim. No dia anterior ao furo da pequena passei um pouquinho da pomada na minha orelha e fiquei aguardando o resultado. Uma mordida do papai na orelha sem anestesia e outra na anestesiada e pronto, estava comprovada a eficácia. Ela dá um sensação de formigamento já nos primeiros dez minutos da aplicação, mas não é 100% sensível a pressão. Resultado, estava ciente que a Valentina ia chorar pelo menos um pouco...

Meia hora antes da colocação dos brincos, passei um bocado de pomada na orelha da pequena que deve estar anestesiada até agora! Mas quando a enfermeira pegou a minha boneca no colo me deu uma angústia tão grande... Se estivesse sozinha (sem o papai) juro que pegava ela e ia embora sem brinco! Me deu dor de barriga, sudorese, tontura, prendi o choro e fiquei andando de um lado para o outro. Foram os dez minutos mais demorados da minha vida. E ela chorou? Claro. Não foi assim um mega choro, mas qualquer choro neste caso ia ser doído.

Já no meu colo e agora sem choro tomei coragem de olhar a joia que ficou linda!

domingo, 11 de dezembro de 2011

Valentina

Mini-menina, Pitica, Amor, Pirulita, Mosqueta, Redondinha, Pitoca, Pitoquinha, Negrinha, Branquinha, Docinho de Leite, Paçoquinha, Nenega, Neneguinha, Tchutchuquinha, Mosquetinha, Tartaruguinha, Docinha, Malandrinha, Pitiquinha, Gordinha, Magrinha, Barriguinha de Balão, Gatinha, Lindinha, Docinho de Leite do Uruguai, Bonitona, Lindíssima, Pão de Ló, Bolinho Fofo, Bebê, Bebezinho, Tigrinha, Mosquita, Bolinha, Bololota, Bolotinha, Amorzinho, Princesinha, Mosquinha, Fofoleti, Borboletinha, Sapinha, Boneca, Bonequinha... Ela tem apenas três meses e olhem de quantas formas carinhosas já foi chamada por nós! Alguns dos adjetivos não são bonitinhos se levados ao pé da letra (Mosquinha! Onde já se viu!!!) Mas certamente são falados com todo amor e carinho que existem no nosso coração.

sábado, 10 de dezembro de 2011

O Amor

De todas as palavras que conheço para traduzir todo o sentimento bom que sentimos pela pessoas que temos afinidade, carinho e respeito considero a palavra amor a mais forte de todas. Numa escala de zero a dez com certeza ela é a dominante. Eu te amo... essa frase não é dita assim, para "qualquer" pessoa, e sim para algumas exclusivas, que possuem um lugar de destaque na nossa vida, em nossos corações. Até pouco tempo atrás achava que já tinha amado alguém.

Certa vez, uma grande amiga minha, a Sol que também é mãe, disse que quando temos um filho nosso amor vai crecendo juntamente com ele. Vamos construindo um amor forte e verdadeiro a medida que os dias passam. Sempre pensei nisso.

Já dentro do centro cirúrgico, poucos minutos antes de conhecer minha pequena, a emoção era indescritível. Quando o obstetra olhou nos meu olhos e disse "vai nascer" fui preenchida por uma força avassaladora que jamais senti dentro de mim. Entrei num estado de transe e me debulhei em lágrimas. Só agradeci aquele ser perfeito, bem vindo.

Já no quarto, mais calma, não parava de contemplar aquele ser maravilhoso que dormia feito um anjo ao meu lado. Surgiu em mim de uma forma inenarrável aquele sentimento único, exclusivo, o amor na sua mais incrivel forma.

Quem é mãe sabe o que significa o amor. Ninguém mais conhece ou saberá o que significa essa palavra. Perdoe-me, mas é exclusividade nossa! É até difícil explicar o grau de sentimento. É maior do que o "amor" que sinto por mim, pelo meu marido, pelos meus pais...

Conversando com minha prima Dayse, também mãe, não conseguimos chegar a uma conclusão sobre o assunto "amor de mãe", mas o consenso é que ele é maior, mais forte e verdadeiro. Ela me disse uma coisa interessante, que o amor que ela sente pela filha é maior do que o amor que a filha sente por ela! Eu entendi o que ela quis dizer, por que infelizmente é assim mesmo.

Acho que a banalização da palavra amor está colocando em cheque a originalidade do seu valor. Como não conheço outra palavra que traduza o sentimento que tenho pela minha filha vou falando que a amo mesmo, até encontrar ou formular uma outra que mais se aproxime com a intensidade do meu sentimento.

Valentina, a mamãe te ama!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Ser Mãe

Para esse dia chuvoso deixo para vocês apenas uma reflexão que tenta traduzir um pouco do sentimento que temos pelos nossos filhos, logo após seu nascimento.

"Estou dando a você a liberdade. Antes, rompo o saco d'água. Depois, corto o cordão umbilical. E você está vivo por conta própria." (Clarice Lispector)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Navegando pela Blogosfera

Esses dias navegando pela internet em busca de novos brinquedos e livros estimulantes para a pequena, encontrei um blog chamado Aprendiz de Mãe que surgiu de uma ideia bem semelhante a minha, quando criei o Mami da Valentina. A Thaís, mãe do Caio e dona do blog, criou o mesmo logo após o nascimento do seu bebê. Segundo ela a maternidade lhe trouxe muitas inspirações... A identificação com a "causa" foi imediata, pois comigo aconteceu a mesmíssima coisa!

Ao navegar pelo Aprendiz de Mãe encontrei uma postagem que apresentava um site chamado Grupo Cria. Lá encontrei umas imagens com frases bem interessantes que nos faz refletir sobre a importância de ser mãe.

Agora que minha licença maternidade está quase "expirando", bate uma dor no peito só de imaginar que ficarei horas a fio sem a minha pequena... Por isso, resolvi compartilhar com vocês algumas fotos retiradas do grupo com o intuito de confortar nossas almas, principalmente se vocês estiverem na mesma situação que esta mamãe aqui!


quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Meu Primeiro Livro

Ontem foi um dia marcante na vida da Valentina. Logo após um banho gostoso, sentei com ela no meu colo e li o seu primeiro livro infantil. Nossa primeira leitura foi uma estória de Chico Buarque chamada Chapeuzinho Amarelo. Foi uma leitura breve e animada! Ela participou da história sempre muito atenta as minhas palavras e as adorou as ilustrações de Ziraldo.


Sei que devemos proveitar cada fase intensamente pois passa rápido, mas é impossível não visualizar como será essa leitura quando ela for maior ou quando ela mesma conseguir ler sozinha! É uma delícia. Essa mãe coruja anda babando muito!

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Chororô

Minha principal aflição quando a Valentina nasceu era decifrar suas necessidades. Achava que seria algo muito complicado e que exigia muitos meses de aprendizado. No entanto tive uma surpresa positiva, pois já na primeira semana estava em plena sintonia com a pequena.

Diferente do que dizem, são poucos choros e de fácil identificação. Não canso de dizer que a Valentina é uma anjinha. Ela quase nunca chora, no máximo dá uns gritinhos gostosos, que chamo de chororô. Ela tem alguns tipos bem característicos deles. Quando está com sono é fácil, dá umas gemidinhas e faz careta. Quando tem fome abre a boca e faz uma barulhinho que mais parece um passarinho. O choro daqueles de sair lágrimas só aparecem na hora de colocar roupa, principalmente se é daquelas que entra pela cabeça! Ela curte mesmo é ficar sem vestimentas, ao ar livre!


O mais engraçado disso tudo é que até o choro é gostoso de ouvir! Tudo é maravilhoso, perfeito, único.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Algumas Evoluções do Terceiro Mês

Muitas mamães e pediatras me disseram que é a partir do terceiro mês que nossos bebês ficam mais "relax". Passados esses primeiros meses de vida, geralmente cessam muitos desconfortos, como as cólicas e o sono que já parece estar mais próximo do "normal" (noite inteira). Dizem que a vida com seu filhotinho fica mais gostosa!

Como a Valentina não apresentou nenhum tipo de desconforto, nossa vida com ela é só alegria! Estamos num momento de intensificação de exercícios para o fortalecimento da musculatura do pescoço da baby.


Fazemos dois tipos de treinos com ela, de bruços e deitada. O primeiro me dá uma aflição, daí deixo para o Alexandre ajudá-la a fazer. Gosto mesmo é do segundo, que fazemos com ela deitada! É bem simples, pegamos suas maõzinhas e ela sobe o tronco e o pescoço. De uns tempos pra cá ela anda gostando mesmo é de ficar sentada, e o pescoço já está bem durinho! Parece uma tartaruguinha...

Fico sempre impressionada com a capacidade de aprendizado de um ser tão minúsculo. É muito rápido e como não há nenhum outro bebê próximo sempre achamos que a Valentina é precoce demais. Isso deve ser o que denominei de "síndrome da mamãe coruja", que está me assolando desde o dia 4 de semtembro deste ano! Será que tem cura?

domingo, 4 de dezembro de 2011

Parabéns!

Meu amorzinho parabéns pelos seus três meses! Mamãe e papai estão tão felizes e orgulhosos da filha que tem que fica até difícil expressar tudo o que estamos sentindo em palavras. Por isso, queremos apenas dizer que te amamos e que este é só o começo de uma vida linda. Grande beijo!

sábado, 3 de dezembro de 2011

A Importância do Papai nesta História Toda

Quando olho para tudo que já passei desde o início da gestação até hoje tenho ainda mais certeza que meu companheiro teve muita importância nesta trajetória. Deve ser muito complicado levar uma gestação sem alguém que compartilhe todos seus desejos, anseios e dúvidas. Não consigo nem imaginar como seria...


Sou muito grata por ter encontrado um marido como o meu! Agradeço todos os dias por sempre ter ao meu lado um amigo, amante, cúmplice, confidente e agora um papai maravilhoso.

Todos que nos conhecem sempre me diziam que o Alexandre seria um ótimo pai. Eu já sabia e mesmo assim ele consegue me surpreender. No primeiro dia de vida da Valentina ele já trocou de fralda e a segurava com bastante segurança, nem parecia um "marinheiro de primeira viagem".

Esta semana passamos dois dias sem a presença do papai Alexandre, que estava em Salvador a trabalho... A ausência das pessoas que amamos sempre nos faz refletir sobre a importância delas em nossa vida. Alias, todo dia agradeço muito pela família maravilhosa que construi!

Essa postagem de hoje pode ser melhor definida como um agradecimento, uma declaração explícita de amor pelo homem da minha vida, que me deu a filhotinha mais linda que uma pessoa pode ter!

Amo muito vocês!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Troca de Experiência

Depois que me vi mãe minha vida ganhou um fôlego novo, um brilho diferente e uma leveza sem igual. Tudo ficou verdadeiramente lindo.

Ando desde então refletindo e revendo velhos conceitos e práticas. Brigo menos, falo menos, curto mais, amo mais. Me tornei mais tolerante comigo e com os outros. Dou valor a gestos simples, a delicadeza da vida.

Essa mudança se deu logo após a Valentina descobrir suas mãos, há umas duas semanas. Desde então, ela passa longos minutos contemplando suas mãozinhas, seus olhos brilham e ela sorri numa alegria difícil de traduzir. Ela anda me deixando muito mais fascinada...

É muito interessante a convivência com um bebê tão pequeno. Ela vive me ensinando coisas, eu vivo reaprendendo. É uma troca sem fim. Essa nova descoberta dela significou um novo mundo, agora ela consegue pegar objetos, tocar o rosto, colocar a mão na boca. Já pra mim, passei a dar mais atenção e valor a minhas mãos! Já pararam para imaginar como seria se não tivéssemos esses membros? Nos acostumamos tanto com determinadas condições que esquecemos muitas vezes de agradecer o simples fato de estarmos saudáveis. Um bebê de quase três meses nos ensina muito, e a toda hora!



Nos ensina a agradecer todo dia por tudo, seja por um abraço gostoso, um banho de mar, um carinho, uma música ou o simples fato de termos a oportunidade de olharmos!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011