quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Vamos ao Cinema Bebê?

Sempre gostei muito de cinema, via praticamente todos os filmes que estavam em cartaz. Uma semana antes do nascimento da Valentina vi quatro filmes diferentes!

Todos me diziam para aproveitar muito pois não iria retornar ao cinema tão cedo... Mas, no final da gestação conheci uma organização de mamães que criaram o CineMaterna.

Esta organização consiste em sessões de cinema diferenciadas onde a família pode levar o bebê! Pelo que andei me informando com mães que já foram, é super organizado e cheio de "regrinhas" para tornar o ambiente agradável para todos. Vale a pena conferir.

O próximo encontro ocorrerá no cinema do Floripa Shopping dia 03/12 às 11h, quem sabe não nos encontramos por lá?

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Lojas Fofas para Bebês

É muito difícil quem não se renda aos encantos das roupinhas e acessórios para nossos pequenos, né? Principalmente se você é mãe de uma menina... Existem muitas opções de artigos fofos para enfeitar nossos babys.

Final de semana passado resolvi dar uma passadinha na loja Puket do Beira Mar Shopping e sai de lá com três pares de meias, um mais lindo do que o outro. Nesta fase em que a Valentina está (2 meses e pouquinho) não consigo colocar sapatinhos por que acho muito desconfortável, então prefiro usar meias bonitinhas.

Essas meias possuem um preço bem bacana. É uma opção bem legal para presenter bebês pois é um artigo muito útil, sem contar que são lindas. Um mimo como este ao lado sai em torno de dezenove reais. Impossível levar apenas um par! 

Neste mesmo dia fui conhecer uma loja chamada Milon. É uma loja de roupas para crianças e a marca é daqui de Santa Catarina, pode até ser isso que justifique o preço das peças, são bem em conta se comparada com outra loja que venda roupas tão bonitas quanto as encontradas lá. Tem muita coisa linda e não me contentei apenas em olhar. Aproveitei para comprar o look natal e ano novo da Valentina. 

Levamos um conjunto igual a este que aparece na primeira foto (lado esquerdo) para o natal. Para o ano novo optei pelo vestido com chapéu que aparece na outra imagem, porém na cor amarela. Minha vontade era levar a loja toda, é difícil escolher dentro de tantas opções uma mais charmosa do que a outra!

Essas imagens foram retiradas do catálogo virtual que está no site da loja, vale a pena dar uma conferida nos modelos. E não pensem que só as meninas fazem a festa lá! As roupinhas dos meninos também é uma fofura, vale muito a pena conhecer.

domingo, 27 de novembro de 2011

Hipoglós X Bepantol

Quando estava preparando o enxoval da Valentina ganhei dois tubos grandes da pomada Hipoglós, aquela bem densa de coloração branca, famosa conhecida por prevenir assaduras. Até então era a única que eu conhecia.

Com o uso diário percebi que esta pomada gruda de uma forma incrível nos tecidos, tornando-se quase impossível a limpeza. Além de deixar o bumbum do bebê sempre esbranquiçado. E no banho fica bem ruim de fazer a higiene.

Comecei a pensar na existência de uma substituta para o Hipoglós, foi quando lembrei da época que fiz minhas tatuagens. Para acelerar o processo de cicatrização, o tatuador sugeriu o uso da Bepantol, uma pomada que previne e trata a assadura. Possui uma cor creme e é mais fina, não mancha tecidos e sai com maior facilidade quando lavada. Perfeito!

Fui na farmácia e descobri a versão baby chamada Bepantol. O resultado foi bem melhor o que eu imaginava. Além de sair facilmente, tanto da pele quanto dos tecidos, ela hidrata, previne e trata possíveis assadutas. Além de poder ser passada, caso haja necessidade, em outras partes do corpo como nariz (assaduras em função de resfriados), no pescoço (assaduras causadas pelo calor), entre outros.

Minha dica de hoje é deixar o Hipoglós de lado e se jogar na Bepantol Baby, com toda a certeza vocês não vão se arrepender!

sábado, 26 de novembro de 2011

Escolhendo a Maternidade

A primeira coisa que me veio a cabeça quando descobri que estava grávida era como seria minha reação ao entrar num centro cirúrgico, caso viesse a ganhar minha bebê de cesárea. Como nunca passei de uma enfermaria hospitalar não tinha noção do que seria entrar num local daquele porte. Para mim ganhar o baby era o maior desafio de todos, independente da maneira. Pensava: "bom agora que entrou, terá que sair". E assim, relaxava. Quando chegava de uma ultrasom minha colega de trabalho, a Andréia, me fazia sempre a mesma pergunta: "Fran qual tamanho da cabeça?". E assim ficávamos divagando sobre o parto, e o mais engraçado é que com exceção do primeiro dia em que me vi grávida  nunca mais fiquei nervosa sobre o parto. Estava bem tranquila, e permaneci assim até o grande dia.

Mas acredito que essa tranquilidade toda era, em parte, por eu estar sempre atualizada sobre todos os procedimentos que iria passar não importando que tipo de parto. E também era por eu conhecer a maternidade onde iria ganhar a Valentina. Na metade da gestação pesquisei sobre todas as maternidade aqui de Florianópolis tanto públicas quanto privadas. Participaram da "seleção" as maternidades do Hospital Universitário, a Carmela Dutra, a Carlos Corrêa, a Clínica Ilha (antiga Clínica Jane) e a Santa Helena.

Por questões logísticas, decidi primeiramente que teria minha baby na Clínica Ilha, pois esta se localiza próximo a minha residência. Desta maneira, marquei uma visita para conhecer suas dependências. Como a primeira impressão é a que fica, já não foi muito boa minha recepção. Cheguei 15 minutos antes do horário combinado para minha conversa com a responsável pela visita às dependências da clínica, porém fiquei quase uma hora aguardando a mesma. Acho isso um abuso, principalmente quando não te dão nenhuma justificativa do atraso. Entendo que imprevistos acontecem, mas quando não há motivo deixar uma gestante de 7 meses esperando mais de uma hora é no mínimo desagradável.

Bom, já que estava lá criando raiz decidi conhecer mesmo assim. Achei a clínica muito pequena, me deu agonia. Também não tem enfermaria, meu obstetra não fazia plantão naquele local e o atendimento deixou a desejar, lembrando que não tinha nenhum movimento no dia da minha visita. Haviam apenas dois quartos ocupados.

Na semana seguinte colhi umas informações com meu obstetra sobre a Clínica Santa Helena e fiquei tão feliz com o que ouvi que decidi que faria meu parto lá mesmo. Confesso que não estava muito empolgada em fazer visita a todas as maternidade daqui de Floripa. E depois da minha experiência com a Clínica Ilha, me desempolguei total. Só fui conhecer a Santa Helena (e não passei da recepção) uma semana antes de ganhar a pequena, pois estava me sentindo estranha e meu médico que estava viajando pediu que eu fosse realizar uma consultinha lá. Era o tal alarme falso.

Eu e o Alexandre decidimos que se desse tudo dentro dos conformes iriamos direto para a Santa Helena mas caso ouvesse algum imprevisto poderia ir sem problemas tanto para o HU quando para a Carmela. Sem maiores problemas.

Mas com 41 semanas completas, sem sentir um pingo de dor, fui feliz e contente para a Clínica Santa Helena ganhar a Valentina de cesárea. A linda da mamãe não estava muito afim de nascer... E na noite do dia 4 de setembro deste ano uma alegria sem tamanho toma conta do meu corpo e, exatamente as 20h36, nasce minha boneca. Apgar 9, 3,300Kg e 49cm. Jamais esquecerei daquele momento único.




 Ficamos 4 noites na enfermaria. Apesar de não ser tão confortável como um quarto, foi tranquilo. Alguns companheiros do mesmo local tinham visitas bem barulhentas e que extrapolavam o horário. Deixamos essa reclamação registrada ao sair. Mas fora isso foi tudo ótimo! As enfermeiras e médicos todos muito atenciosos e simpáticos. Uma grande equipe, que fez ainda mais especial esse lindo nascimento.


sexta-feira, 25 de novembro de 2011

A Escolha do Nome

Engraçado que quando se descobre a gravidez muitos casais passam um tempão decidindo o nome do bebê. Há pessoas que criam listas enormes de opções. Outras, após a escolha, ainda passam pela numerologia para a escolha da grafia. No nosso caso não foi muito difícil, nem chegamos a criar listinha. Decidimos que se fosse menino o Alexandre escolheria o nome, e se fosse menina eu ficaria encarregada de nomeá-la, mas sempre com o consenso do casal.

O papai, devoto de São Francisco de Assis, padroeiro da natureza e dos animais, já tinha o nome escolhido desde sempre: Francisco. E nem adiatava tentar fazê-lo mudar de ideia. Já minha escolha estava entre três opções: Valentina, Catarina e Melina.

O Alexandre tinha pavor do nome Melina, pois na época era o nome fictício de uma atriz do "mal" numa novela dessas. Além de possibilitar trocadilho com "malina"... Catarina acho lindo inclusive por que significa pureza. Mas minha pequena já seria catarinense ou "catarina" como muitos dizem. Então sobrou, Valentina!

Valentina significa uma pessoa valente, corajosa. Também gosto da força e do tamanho. Como eu e Alexandre temos nomes grandes, achei legal que o dela combinasse com o nosso. Além disso, precisava ser tão forte quanto o sobrenome. A combinação de nome e sobrenome também é importante... Além disso, ficávamos preocupados com os apelidos recebidos, principalmente na época da escola. 

Então vocês podem perceber que não é tão simples assim escolher um nome para alguém, é complicado mesmo! Ela levará esse nome pra sempre, é uma grande responsabilidade. Quantas pessoas conhecemos que não curtem seus nomes e que com certeza gostariam de mudar, não é?

Às vezes existem nomes que adoramos, mas a combinação com o sobrenome não fica legal, por exemplo, tenho uma amiga que adora o nome Clara, e sempre pensou que se tivesse uma filha colocaria esse nome. Mas acabou casando com um homem com sobrenome Pretto, pensem na combinação Clara Pretto, ficaria no mínimo engraçado né? Damos muita risada com isso...

No fim das contas é até bom que temos nove meses para escolher o nome, e muitas vezes depois que nasce dá uma duvidinha. Quer ver na hora que você vai até o cartório e o atendente pede para você escrever em letra de forma o nome completo da criança! Ui, gelei. Li e reli várias vezes antes de dar o ok. Por isso é bom ter muita certeza na hora da escolha, para jamais se arrepender. Nós não nos arrependemos, e não é que ela tem carinha de Valentina? Não chorou no teste do pezinho, não chora nas vacinas... Realmente muito valente!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Acompanhando a Gestação


Muitas mudanças ocorrem no corpo e na mente das mulheres grávidas, e várias vezes é por meio destas modificações que vem a dúvida "será que estou grávida"? No final do ano passado decidimos passar o restinho de 2010 em Natal (na casa de Vitor, Patrícia, Luiza e João) e a virada de ano em Aracajú (com Pedro, Bianca, Aninha e Gabriela) o que foi muito bom! Mas nessa época eu já estava me sentindo bem estranha...  Em Natal, quando chegavamos em casa no final de tarde, eu caía num sono profundo e só acordava no dia seguinte. Dormia em média 12 horas!


 Mas como lá pra cima é tudo muito quente, achava que minha sonolência era motivada pelo calor. Já em Aracajú não conseguia dormir, de tanto que meus seios doíam. Em determinados momentos me bateu uma tristeza sem tamanho, eu só queria ficar chorando pelos cantos, nem eu me entendia. Sem contar que na volta para Floripa nosso vôo foi cancelado em Brasília e tivemos que ficar uma noite por lá mesmo, após uma grande confusão no aeroporto. Caos total. A essas alturas eu já estava com praticamente um mês de gestação. De volta a terrinha, fiz o tal exame de sangue e, bingo! Aquilo tudo que estava passando era causado pela gravidez. Foi engraçado por que passava tudo pela cabeça menos a possibilidade de uma gestação. E olha que meu marido "brincava" comigo e com os outros: "ela está grávida!" Parecia um mantra...

Passados os medos e reflexões (no momento da descoberta da gravidez passa um filme na sua cabeça, uma loucura mesmo) era hora de saber o que estava acontecendo com meu corpo e o que viria a acontecer com ele. Muitas perguntas precisavam de respostas, como: quando virá os enjoos? Qual fase tenho que fazer o exame de glicose? Quando podemos saber o sexo? Quantos ultrasons devo fazer? E por ai vai....

Como adoro uma internet fui pesquisar em sites, blogs e afins, voltados para o mundo das gestantes com o intuito de procurar respostas para zilhões de perguntas. Encontrei vários deles, como vocês podem imaginar, e acabei me inscrevendo em dois que toda a semana me mandavam newsletters relacionados ao meu momento na gestação. Muito bacana, pois você consegue entender o que está acontecendo com você e seu bebê semana a semana e ainda recebe dicas, consegue esclarecer dúvidas com pediatras, obstetras, pode participar de comunidades e saber o que outras gestantes estão passando, enfim, é muito completo! Eu continuo participando e recebendo boletins semanais do bebê.com.br e do babycenter. Ambos acompanham você da gestação até os cinco anos de seu bebê. Muito legal!  
Pra quem não curte ficar na frente do computador lendo essas coisas ou não tem acesso direto à internet existem ótimas opções de acompanhamento também. A Mari (minha massoterapeuta) me emprestou um livro muito bacana que se chamava "A Agenda da Gravidez". Esta agenda acompanha a gestação a cada dia! E é incrivel o tanto de modificações que ocorrem principalmente com o bebê de um dia para o outro. Lá tem espaço para você fazer anotações de como está sendo a gestação, medir sua cintura, sua barriga, entre outras coisas muito legais. É uma opção bem bacana para presentear amigas grávidas!

Além das leituras, é importante a parte prática da coisa não é mesmo? Principalmente se você é como eu que não tinha nenhuma convivência com bebês, ou seja, só tinha meras noções de como era trocar uma fralda, dar um banho, cuidar do umbigo. Para isso, fomos convidados a participar de um curso para pais grávidos desenvolvido pela Shanon Enxovais. Para quem não conhece, a Shanon é uma loja que atua no ramo de enxovais de bebê e na linha de lingerie feminina e masculina voltada a puericultura, e desenvolve o curso a mais de 19 anos em Florianópolis.

O curso foi ministrado no Centro de Estudos da Maternidade Carmela Dutra com assuntos distribuídos em oito encontros de 4 horas cada. Os temas abordados foram desde a concepção ao nascimento do bebê, a importância do aleitamento e dicas sobre o assunto, como escolher a maternidade, os cuidados com o recém nascido, entre outros. Lá tivemos contato com vários profissionais como médicos ginecologistas e obstetras, enfermeiras, nutricionistas, e foi uma ótima oportunidade para escolhermos o pediatra de nossa pequena, o Gean Carlo Rocha, um ótimo profissional. Esse evento ocorre umas três vezes por ano e para maiores informações tratar diretamente em qualquer loja da Shanon na capital. Vale a pena conferir pois nessas horas toda a informação e aprendizado é muito bem vinda pode ter certeza. E é claro tendo conciência que nada substitui um pré natal bem feito.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Lembrancinhas de Nascimento

Quando ouvia falar em lembrancinhas de nascimento logo vinha no meu imaginário aquelas típicas lembranças como ímãs de geladeira e os sachês de cheirinho, tudo muito óbvio e pouco útil. Sou adepta das coisas com verdadeira utilidade na vida, tenho pavor a "pega pó" (expressão que uso para bibelôs e afins). Por isso, não tinha nenhuma vontade de fazer as tais lembrancinhas. Mas as pessoas mais próximas sempre me perguntavam qual seria o tal mimo que eu daria após o nascimento da minha pequena, e lá veio o peso na consciência. Fui para minha amiga internet pesquisar algumas lembranças mais modernas.   

Depois de muita pesquisa fui me animando com os resultados até que encontrei a Jana, uma artista com várias ideias boas. Como já mencionei numa postagem anterior sou apaixonada por cremes e encontrei uma lembrancinhas que tem tudo a ver comigo.

Esses mimos agradaram tanto nossas visitas iniciais que eu não consegui guardar nenhum frasquinho desde creminho. Um dó, por que eles vinham delicadamente embalados um a um com uma plaquinha de agradecimento pela visita!  

No site da Jana tem uma infinidade de ideias, todas muito criativas e modernas. Bem diferentes do que estamos acostumados em ver. Fiz vinte unidades deste creminho, com um layout exclusivo e um cheirinho muito suave, que agradou todas as mulheres que receberam. O sucesso foi tamanho que algumas pessoas chegavam lá em casa e já iam pedindo seu creme! Bem engraçado. No final das contas acabei me arrependendo de não ter encomendado mais unidades.

Algumas ideais retiradas do site Jana Lembrancinhas para inspirar as futuras mamães:


terça-feira, 22 de novembro de 2011

Valentina: A Importância dos Estímulos em seu Desenvolvimento

Desde seu nascimento até próximo ao primeiro mês, o bebê pouco interage com as pessoas. Dormir e comer, é basicamente isso que fazem... Ao término desta fase, sentimos mudanças repentinas nesta rotina. Agora o bebê fica maior tempo acordado e já emite sons diferentes, parece que quer "conversar", interagir com você e com o ambiente em sua volta. Neste momento, senti a importância de apresentar para a Valentina como é o "mundo lá fora". Não que ela não tenha saído de casa até esse momento, mas agora fazia isto acordada, facilitando nossa comunicação.

Desde a gestação costumava cantar, conversar e ouvir música sempre interagindo com a barriga e, após o nascimento, continuei a fazer, mesmo com ela dormindo praticamente o dia inteiro. Acho muito importante introduzir desde cedo a musicalidade e a fala (correta das palavras) com nosso bebê, pois nesta fase costumo dizer que eles são "estrangeiros" tentando se comunicar. Então pra que ensinar a falar as palavras de forma errada? Pra que o retrabalho não é mesmo? Também li em alguns estudos que a música clássica para as crianças (principalmente os bebês) contribui para o desenvolvimento da inteligência, e como crescer inteligente não faz mal a ninguém, tentamos sempre deixar rolando uma musiquinha clássica ou jazz.

Com um mês e meio a Valentina já adorava ficar balbuciando sons como "arg", ãaa", coisinhas gostosas assim, e adorava bincar, principalmente com objetos de cores fortes, o vermelho é sua cor preferida até hoje.


Pesquisando na internet sobre brinquedos e atividades para a fase dos 0 aos 3 meses descobri o "tapete de atividades", também conhecido como "ginásio de atividades". Depois de muitas pesquisas de preços nas lojas aqui de Floripa e na internet comprei um para minha pequena. O preço varia de 150  à 370 reais, dependendo do modelo e marca. Quando montei o tal brinquedo e a coloquei para testá-lo ela quase teve um troço de tão feliz que ficou! Vale muito a pena por que eles aproveitam por muito tempo.

Com  esse brinquedo consegui mantê-la distraída por um certo período (15 a 20 minutinhos), parece pouco mas nessa fase eles enjoam muito fácil de ficar no mesmo lugar, com os mesmos brinquedos, dai a solução é sempe ir trocando. E para quem fica sozinha com o bebê em casa, como é meu caso, consigo ir ao banheiro, comer alguma coisa, lavar um louça, essas coisas.

Além do tapete, para esta fase é sugerido o móbile de berço ou carrinho  A Valentina ganhou de sua madrinha Mariana um da marca Chicco, bem lindo. São três coelhinhas fofinhas que cantam e dançam. Mas como o móbile fica no berço preferi apresenta-lo para ela como um brinquedo  "pré sono", assim quando a colocamos no berço ainda acordada, ligamos a musiquinha e ela vai adormecendo aos poucos, uma fofa! Dessa forma, ela já relacionou o móbile ao sono, e não a brincadeira, que ficou a cargo do tapete mesmo. E por ai vai... O importante é estimular os bebês, seja por meio destes brinquedos, por diálogos, danças, jogos, pois eles precisam muito disso!

Acho que toda mãe sempre procura proporcionar o que há de melhor neste mundo para seus filhos, e eu não sou diferente! Para isso, sempre estou lendo literaturas relacionadas ao desenvolvimento dos babys tanto na fase que ela está (agora com dois meses e meio) e já aproveito para espiar o que virá na sequência, assim já vou me preparando para as brincadeiras da melhor maneira possível. Até o momento esta tática está dando resultados positivos. É o que essa carinha me sugere não é mesmo?

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Recordar é Viver

No início da gestação enjoei tanto que não sentia vontade de fazer nada! Aliás, até mais da metade deste período eu me recusava até em bater foto... Achava que essa recusa estava relacionada também ao fato de não estar ainda com barriguinha de grávida, mas a medida que a barriga crescia a vontade de bater foto diminuia ainda mais.


Até que um belo dia fui ao "chá das amigas" elaborado na casa da Ju (mãe de um menino lindo, o Guido) e acabei mudando de ideia. Isso por que a mamãe Ju me mostrou a importância de se ter registros da barriga. Ela disse que o pequeno Guido certa vez lhe pediu fotos da gestação para um trabalho da escolinha e ela disse ter poucas ou quase nenhum registro dequela época! Aquilo me tocou de uma forma... Lembrei da minha infância, primeiro por que sou filha adotiva e não tenho foto da barriga da minha mãe, e depois por que naquela época o registro fotográfico era quase nulo numa família de classe média. Foi ai que tomei a decisão de fazer um ensaio fotográfico.

É bem comum as gestantes "ganharem" ensaios. Coloco entre aspas por que nada é de graça né? Esse ganhar se resume em sessões de fotos em horário comercial e em estúdio. Nenhum dos dois itens me atraia, primeiro por que eu e o Alexandre trabalhavamos em horário comercial e também por que eu não queria aquelas fotos de "sapatinhos na barriga", que me descupem, acho super cafona!

Fui pesquisar na internet e me deparei com uma fotógrafa super alto astral, com fotos lindas e modernas, a Paula Marcilli. Nos comunicamos por e-mail e marcamos local e data para os cliques. Num domingo de sol entre nuvens eu, o Alexandre e a Valentina fomos fotografar em Santo Antônio de Lisboa às 15h30. Foram quase 3 horas de ensaio que passaram voando, e o resultado, AMEI!

Então minha dica de hoje vai para as mamis que estão em dúvida quanto ao famoso álbum da barriga. Façam mesmo! E arrisquem fazê-lo ao ar livre pois o resultado fica naturalmente mais bonito.

domingo, 20 de novembro de 2011

Mimos para o Corpo na Gestação

Quem me conhece sabe que sou louca por cremes. Eu tenho um creme para cada coisa; um para o cabelo, outro pro joelho e cotovelo, um para as mãos, outro para os pés, para a região dos olhos, para o rosto. E por ai vai... O mais curioso é que não consigo acabar nenhum pote! Cada prima e amiga que aparece na minha casa geralmente vai embora com um deles.

Quando descobri que estava grávida logo fui pesquisar um creminho para a barriga. Minhas primeiras aquisições foram o creme antiestrias e o óleo de amêndoas da Natura (linha Mamãe & Bebê). O creme está na metade até hoje por que não gostei nem da textura nem do cheiro (enjoado), e o óleo já foi despachado no segundo dia de uso! Não curti essa coisa de óleo. Passava logo após a saída do banho e  me sentia um "galeto" aguardando a hora de ir para o forno! Gente, não deu, muito desagradável. Continuei a busca e alguns dias depois encontrei o creme corporal ultra hidratante de karité da L'Occitane.

Este creme é muito bom, com extratos de amêndoa, mel e vitamina E. Uma textura densa e um cheirinho suave. O preço é salgado mais compensa. Em nove meses de gestação foram dois potes (até o final). Quando fui comprar o creme a vendedora veio me mostrar o óleo de amêndoas da marca, e eu com aquela experiência anterior fiquei desconfiada. Ela passou o tal óleo na minha mão, deu uma molhadinha e pasmem, não é que o óleo fez espuma? Depois, lavei a região que ficou mega-hiper-ultra macia. Resultado, levei o óleo e não fico mais sem! Já estou no segundo frasco.

As alterações hormonais deste período afetam também o rosto, principalmente se você tem (como eu) a pele oleosa. Para amenizar o sofrimento mantive meu pequeno ritual diário - gel de limpeza + acído azeláico + protetor solar. Desta forma, mantive a uniformidade da minha pele. 
As unhas também ganharam atenção especial. Como eram sempre enormes e pintadas fui aos poucos lixando e me acostumando com elas bem curtinhas. E, para aliviar os inchaços da gestação que ocorrem também no inverno, fazia sessões de drenagem linfática aos finais de semana e caminhadas esporádicas.

Tudo isso aliado a uma boa alimentação e um bom pré-natal, permitiram que minha gestação fosse muito bem aproveitada. Com 41 semanas de gestação tinha engordado 13Kg, estava sem estrias e preparada para o parto!

sábado, 19 de novembro de 2011

Decifrando o Segredo de Dormir a Noite Toda

É tão bom quando vai chegando a noite e nossas pálpebras vão ficando pesadas....pesadas....e pufff, você cai no sono profundo. Mas enquanto não temos filhos não paramos para pensar o quão é precioso dormir uma noite inteirinha! E mais, será que dormir (digo, a noite toda) é uma coisa natural ou precisamos ensinar isso?

Você sabe ensinar alguém a dormir? Isso se ensina? Pois bem, se ensina sim! Eu e o Alexandre temos a sorte de conhecer um casal (André e Angela) que nos emprestou um tesouro. Esse tesouro é um livro chamado "Nana Nenê" que ensina de uma maneira bastante didática a arte de dormir!

E funciona? Sim, e muito bem! Aliás o livro todo é perfeito. A medida que vai passando o tempo você retorna a leitura e é batata!! Acontece tudinho como mostra o livro.

Só que não é tão simples assim. Tem que ter muita disciplina, principalmente nos horários das mamadas, procurando manter uma rotina de alimentação do bebê a cada 3 horas, por exemplo. De acordo com o texto, essa prática é conhecida como AOP (Alimentação Orientada pelos Pais). Como os pequenos possuem o sistema digestivo imaturo, essa rotina é importante para a regularização intestinal evitando o aparecimento das indesejávais cólicas por exemplo. Quando saimos da maternidade os pediatras nos instruem a livre demanda, ou seja, dar o peito toda hora que o bebê chorar. Mas o detalhe é que os babys novinhos costumam dormir durante a amamentação, o que dificulta a mamada completa. Se você não acordar o bebê vai ter que dar o peito a cada hora, e implantará uma rotina maluca que permanecerá até pelo menos uns dois anos da criança, e quem aguenta?

É claro que não deixei a Valentina passar fome, ela só adquiriu uma boa rotina alimentar, aliás bebê calmo e tranquilo é quase sinônimo de rotina. Por isso, é importante ler o livro certinho! Hoje a Valentina mama em média a cada três horas, dorme a noite inteira e NUNCA teve cólicas! Um sonho? Não, uma realidade! Portanto, aproveitem a leitura e tenham um anjinho na sua casa também!

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Por Que Comemoramos o Primeiro Mês do Bebê?

A resposta não é tão simples assim, exige uma reflexão ou melhor um desabafo. É o mês mais intenso e complexo que já passei em toda minha vida.

Foi uma fase que mal colocava o pé do lado de fora de casa, dormia pouco, não sonhava, meus seios doíam muito, o humor oscilava mais do que na TPM, você vai do amor a dor em questão de segundos! É tão louco que nem você se atura.

Além de administrar todas as mudanças vividas pelo seu corpo e mente você tem a gostosa missão de cuidar daquela criaturinha fofa que saiu de dentro de você, seu filho! E foi nesta fase que senti crescer e fortalecer meu vínculo com ela...

Mesmo tendo passado por uma cesárea, optei por sempre estar presente em todos os cuidados com a pequena. Para isso, foi fundamental a participação do meu amado esposo, um pai espetacular, compreensivo, calmo (é importante ter alguém calmo nesta hora, rsrs)... Até hoje existem tarefas, como o banho da baby por exemplo, que fazemos em família. Como ele trabalha o dia inteiro acho importante incluí-lo numa atividade de rotina, assim fortalecemos nossos vínculos.

Rotina, é a palavra mais apropriada para classificar esta fase. Eu mudei totalmente de rotina, agora era dar mamar, colocar pra arrotar, trocar fraldas, colocar pra dormir, tomar água (para ter leite), comer (fome de leão), dormir (enquanto ela dormia), tomar e dar banho, ufa! Isso tudo um mês inteirinho!Fazendo uma continha simples foram mais de 240 mamadas! Parece pouco? Só que ela mamava cerca de 1h por mamada....haja peito..... Nem vou fazer a matemática das fraldas....Devia ter uma modalidade esportiva para "troca de fraldas" por que eu seria uma candidata a medalha, e de ouro tá? No meio desse turbilhão todo vem a prova de fogo que é a segunda consulta ao pediatra (a primeira já ocorre nos primeiros dias de vida) onde é verificada a sua atuação como mãe. Será que meu bebêestá engordando? Está saudável? Crescendo bem? Etc, muitos etc....

Resultado, a Valentina tinha engordado 1,200Kg e crescido 6cm, acima da média em peso e altura! Pronto, agora posso comemorar o primeiro mês com louvor!

Mas a comemoração não é só essa. Comemora-se também a sua estabilidade, a sua confiança em ser mãe, ser mulher. A vida se equilibra novamente, e você volta a se cuidar, por que começa a "entrar" (e sair) das antigas roupas, você volta a se sentir linda! Ao final do primeiro mês minha princesa já dormia a noite inteira (em média 8h por noite), meu sono já era completo, quero mais o que?????

Ah, também foi no final deste árduo mês que ganhei o presente mais maravilhoso que alguém poderia receber, o primeiro sorriso da minha Valentina! E não era espasmo ok? Foi sorriso mesmo, daqueles que você olha dentro dos olhos, sente...de verdade! Pra mim, foi o prêmio por eu ter passado a primeira fase da vida dela, o primeiro mês.

A Decisão de Criar este Blog!


Após o nascimento da minha princesa fui preenchida por um sentimento muito forte. Um misto de amor e paixão, com uma força avassaladora dentro do coração. Entendi agora por que falam que existem coisas que só mãe sente...deve ser isso!

Aquela mini criaturinha agora depende de mim...é minha...minha filha!E da-lhe chorar....Chorar de alegria, de cansaço, de dor nos seios, chorar de rir, chorar pelo auge do amor que sinto, chorar por chorar....

Passada as primeiras semanas quando mãe e bebê já estão em sintonia fina é só alegria. As idas ao pediatra ou a qualquer outro lugar já não são tão tensas assim, agora você já conhece todos os choros, caras e caretas. É curtição. Tiramos fotos, fazemos vídeos, conversamos, rimos juntos (mãe, bebê e papai) mas ainda não é suficiente para captar todas as evoluções que acontecem ao longo dos meses, semanas, dias, horas!

"Aproveita por que passa rápido", eu achava um saco quando as pessoas olhavam para minha barriga (de grávida, é claro) e me diziam isso, todos diziam, mais é que passa rápido mesmo!!! Eu aproveitei muito (a Andréia que trabalha comigo foi junto no barco, ótimo!) mais poderia ter aproveitado mais.... E minha bebê que era "zinha" agora está com quase 5 quilos e meio, e já tem quase 3 meses!!! Viu como passa??? E logo logo volto a trabalhar??? Socorroooo

Por isso, resolvi além das fotos e vídeos, registrar o desenvolvimento da minha pequena e o meu como mãe, compartilhando nossas experiências, anseios, dúvidas, sugestões, enfim, tudo que esta nova fase "mãe" permitir!

Sejam bem vindos nessa história :-)